domingo, 25 de outubro de 2015

Por Adriane Garcia


Foto: Márcia Costa

Bendita a força que conserva
A casa mineira
O portão de tábua
O vão por onde o mato
Oferta flores
Pequenas, desapercebidas
Ao mineiro basta
Que elas estejam
Mesmo se as pisa

É de terra o caminho que leva
À porta
Nas laterais as latas
Improvisam jardins
Seguram as plantas ornamentais
E ecumênicas:
Comigo-ninguém-pode
É espada de São Jorge
Que perfila na santaria
(Maria, o Menino Jesus
E esta moça Iemanjá)

A sala recebe a visita
E se a luz aconchega é
Entre as frestas
Da cortina de crochê tecida
Por uma dona Tereza
Mariana, Donana...
A mão mineira gosta
De tecer e esperar
A água sempre fervente
Por cima das brasas

Em torno da casa mineira
Há pássaros e brisa
E riso de criança riscando o silêncio
Enquanto alguém matuta
Um poema
(Mineiro quando vira poeta
É de tanto olhar montanha)

A fumaça evola
É o café
Servido porque não servir
É pecado
E bolinho de chuva é faça chuva
Ou faça sol
Amanhã no almoço
Ora-pro-nobis
Alguém vai matar uma galinha

A visita repara que Minas
Gosta das suas lembranças
E prende tudo nos retratos
Enquanto o tempo foge
Desgovernado
Seja em automóveis ou carros de boi
(O tempo não gosta de Minas)

À noite um carteado
Uma moda de viola
E o sono dos mineiros

Depois o silêncio aumenta
A voz do córrego

Antes de dormir
Espanta-se com a vassoura os sapos
(Amanhã a casa se enche de netos)

Casa mineira
Verdadeira
Tem cheiro de avó.

2 comentários:

  1. Parabéns. Bom saber que os poemas e os poetas não morreram. Tanto no texto quanto na imagem. :)

    ResponderExcluir

Os comentários ao blog serão publicados desde que sejam assinados e não tenham conteúdo ofensivo.